Hike’n Fly na Pedra da Mina

Confira o relato emocionante de um voo livre na Pedra de Mina, a quarta montanha mais alta do Brasil, com 2.798 metros de altitude.
Hike'n Fly Pedra da Mina

Em 2014, aos 27 anos do alto da montanha, para ser mais precisa do Morro Araçatuba (PR), em um momento de contemplação paz e tranquilidade que só a natureza pode nos proporcionar, pude ouvir o assobio do vento passando pelo perfil de um velame. Um som tão agradável aos ouvidos e uma imagem tão harmoniosa aos olhos, onde num voo tranquilo e suave de pôr do sol, despertava um novo sentimento. Aqui começa minha trajetória no Voo Livre.

Hike'n Fly Pedra da Mina

Tendo como primeira paixão, o montanhismo, nada melhor que vincular montanha e voo livre, no melhor dos estilos, o Hike And Fly, subir a montanha andando e descer voando. 

No Hike And Fly já alcancei algumas conquistas, como fazer a travessia da Serra do Mar do Paraná, decolando do Morro Anhangava, Quatro Barras (PR), pousando em Morretes (PR). Sobrevoar o berço da história do montanhismo, o Conjunto Marumbi, sem dúvida para um montanhista é uma proeza sem igual, e ser a primeira mulher realizar tal feito, tem um sabor mais que especial.

Entre rampas e montanhas, novos sonhos e projetos foram sendo idealizados, onde um deles era decolar da Pedra da Mina. Então numa bela manhã de julho de 2016 fizemos a primeira tentativa de subir a quarta montanha mais alta do Brasil, com seus 2798 metros no ponto mais alto da Serra da Mantiqueira. Ao lado do meu parceiro e namorado, começamos a empreitada na sexta-feira pela manhã no aeroporto de Curitiba até São Paulo, onde encontramos alguns amigos e seguimos de carro até Passa Quatro (MG), dando início a caminhada a meia noite daquele mesmo dia.

Paramos para um cochilo no meio da trilha e chegamos ao cume por volta das 11hs da manhã. Para nossa decepção, o vento que era previsto de fraco a moderado estava de forte para muito fortes! Sentamos e esperamos, o vento deu “uma pequena baixada”, mas não o suficiente para que nos levasse em segurança até o pouso. Ok, então vamos descer. Isso não estava previsto. Já muito cansados, eu com aproximadamente 18 quilos nas costas, temperatura caindo, pouca água e alimento, então era o que nos restava. Chegamos a base da fazenda as 23 horas do sábado. Procuramos um hotel, e ali despejamos nossos corpos exaustos. Dia seguinte, tristes por não ter rolado o Fly mas felizes pelo Hike, voltamos para casa com a promessa de retornar e concluir esse desafio.

Repetindo a dose

Enfim retornamos. Junho de 2019, agora mais leve, com equipamento pesando aproximadamente 12 quilos, previsão perfeita, pé na estrada. Saímos de Curitiba no final de tarde de uma sexta-feira. Início da madrugada já estávamos na base da trilha do Paiolinho que dá acesso a Pedra da Mina. 

Nos acomodamos e descansamos até as 5 da manhã quando começaram a chegar outros integrantes dessa empreitada. Tomamos um gostoso café da manhã, e às 6h20, iniciamos a caminhada. Foi difícil acompanhar os amigos paulistas, mas o céu azul e o visual deslumbrante das montanhas da Mantiqueira me dava mais garra e motivação, e com muita determinação as 11h50 estavamos na rampa. 

Como o nome mesmo diz, previsão é apenas uma previsão. Para meu “desespero” conforme o cume se aproximava, nuvens iam encobrindo a Pedra da Mina, e por ali permaneceram por horas. Então a dúvida mais uma vez pairou sobre o ar, também não será dessa vez?

Mas com amigos positivos e muito bem humorados, aguardamos o tempo suficiente até que pequenas “janelas” foram surgindo. Períodos curtos de abertura entre as nuvens foram aparecendo. Um minuto, dois e três minutos, esses eram os intervalos dessas pequenas aberturas de nuvens, as “janelas”, tempo suficiente para conseguirmos visualizar a montanha a frente, que leva o apelido de “o enganador” que deveria ser contornado para então acessar o vale e poder pousar em segurança aos pés da Serra.

E em uma dessas janelas, enfim conseguimos decolar. Felicidade imensurável de poder contemplar o visual de cima dessa serra belíssima, sentir aquele vento gelado no rosto com o brilho do sol se ensaiando para se pôr, e aquele “aquele” assovio do velame e nada mais. Além de feliz, de certa forma os sentimentos foram acalentados pelo alívio de descer voando. Agora só me restava agradecer a Deus e a Mantiqueira por permitir realizar mais esse sonho. Projeto realizado, conquistas alcançada e mais uma montanha para currículo como a primeira mulher a decolar solo da Pedra da Mina, a quarta montanha mais alta do nosso brasilzão.

Hike'n Fly Pedra da Mina Hoje além do Hike’n Fly novos projetos vem dando espaço para essa vida de voo livre. Montanhas e competições vem caminhando lado a lado. Novas conquista foram alcançadas e sonhos realizados, então em 2018 resolvi dar um passo a mais e me aventurar no mundo das competições, iniciando pelos primeiros Campeonatos de Parapente Estaduais, o Paranaense. Um 2018 de muitos resultados positivos se inicia uma bela trajetória de competições, onde respeito, segurança, paciência e limites servem de lição para evolução no Voo Livre. Objetivos foram traçados, para que as conquistas fossem alcançadas, medos respeitados para que o voo do dia seguinte, sempre fosse o melhor voo do que o de ontem. 

O peso e a responsabilidade das provas são sentidos no dia a dia dos treinos, no compromisso, na disciplina e na dedicação ao esporte, assim como as montanhas impõem alguns limites e respeito. É como uma paixão avassaladora que poucas pessoas são capazes de compreender e vivenciar. Exige força física e mental. Estratégia, constância, comprometimento e empenho.

Hoje meu objetivo é superar grandes desafios e revelar às pessoas que não existe impossível quando se tem vontade, seja na vida, na montanha ou no ar. Sempre para o alto e avante!

Por Raquel Canale

 

Compartilhe
error

Posts Relacionados

Categorias
Esportes Aéreos
Sem comentários

Leave a Reply

*

*

POSTS RELACIONADOS

EnglishPortugueseSpanish
Wordpress Social Share Plugin powered by Ultimatelysocial