Quarteto Ultraleves

Vento do meu Ultraleve Lá vou eu cruzando o ar Aonde quer que tu me leves Vivo o enlevo de voar...

Vento do meu Ultraleve
Lá vou eu cruzando o ar
Aonde quer que tu me leves
Vivo o enlevo de voar

Arco-íris Ultraleve
Risca o céu lento veloz
Aonde quer que tu me leves
Abra as asas sobre nós

Sobe e desce Ultraleve
No teu gesto de albatroz
Entre nuvens cor de neve
Abre as asas sobre nós

Ultraleve é passatempo
Com alma de passarinho
Teme a chuva teme o vento
Haja sol no teu caminho!

Ultraleve é um brinquedo
Tempo e vento no meu rosto
Nunca é tarde, nunca é cedo
Pra sentir tão leve gosto

Ultraleve é devagar,
Devagar quase parando
Enquanto o jato dispara
O Ultraleve vai levando

Meu amigo Ultraleve
Parceiro de solidão
Aonde quer que tu me leves
Te levo no coração.

 

Texto por Armando Nogueira.

“Esta crônica, é uma homenagem da SAB, ao um dos maiores incentivadores da nobre arte de voar, o poeta e jornalista Armando Nogueira.”

Compartilhe
error
Categorias
Crônicas
Sem comentários

Leave a Reply

*

*

POSTS RELACIONADOS

EnglishPortugueseSpanish
Wordpress Social Share Plugin powered by Ultimatelysocial